Como muitas pessoas, você provavelmente gosta de beber um copo de vinho ou uma cerveja com frequência. Mas cuidado: o álcool pode aumentar o risco de sofrer certos tipos de câncer.

É verdade que o consumo moderado de álcool aparentemente reduz a probabilidade de doenças do coração, mas de acordo com a Sociedade Americana Contra o Câncer (American Cancer Society), existem evidências de que aumenta o risco de sofrer vários tipos de câncer.

Em 2007 um grupo de especialistas, citado pela agência Internacional da Organização Mundial da Saúde para Pesquisa sobre o Câncer (IARC), analisou a evidência científica sobre a relação entre o álcool e o câncer em 27 locais do corpo. O resultado foi que encontraram suficientes provas de que o álcool pode causar câncer de boca, câncer de garganta, câncer de laringe, câncer de esôfago, câncer de fígado, câncer de cólon e câncer retal. Também é causa de câncer de mama em mulheres, inclusive quando se consome o álcool em pequenas quantidades.

O Álcool pode Aumentar a Chance de sofrer Certos tipos de Câncer

Outro estudo, publicado no American Journal of Public Health, atribui 6.000 mortes por ano nos estados Unidos ao consumo de álcool. De acordo com Timothy Naimi, professor associado da Escola de Medicina e Escola de Saúde Pública, um dos autores do estudo, essas mortes são causadas por beber com moderação, ou seja, uma bebida e meia por dia ou menos. Mas, se o consumo de álcool é maior do que essa quantidade, o total de mortes devido ao câncer sobe para 20.000 por ano (3,5% de todas as mortes por câncer no país).

Por que o Álcool aumenta o Risco de sofrer Câncer?

A razão não é totalmente conhecida, uma vez que o risco pode depender de diversos fatores, incluindo o tipo de câncer. Algumas razões são as seguintes:

Câncer de boca (oral), câncer de garganta, câncer de laringe e câncer de esôfago. O álcool atua como um irritante e danifica os tecidos do corpo, especialmente nessas áreas. Mas se você também fuma, o risco aumenta, particularmente na boca e na garganta. Pode ser porque o álcool dissolve outras substâncias nocivas ao corpo, como as que se encontram na fumaça do tabaco, contribuindo, assim, para que penetrem mais facilmente no revestimento das células da parte superior do aparelho digestivo.

O álcool, também, diminui a capacidade das células de os danos causados ​​pelos agentes químicos do tabaco. À medida que as células danificadas tentam se reparar ocorre alterações no DNA, o que pode dar lugar ao câncer.

Câncer de fígado. O consumo regular de álcool em quantidades elevadas danifica o fígado, causando inflamação e cicatrizes. Isso por sua vez aumenta o risco de sofrer câncer.

Câncer de cólon e reto. Especialmente nos homens, o álcool tem sido associado com um aumento do risco destes dois tipos de câncer, embora também afete as mulheres. As bactérias nessas áreas podem converter o álcool em grandes quantidades de acetaldeído, uma substância química que causa câncer em animais de laboratório.

Câncer de mama. Inclusive algumas bebidas por semana aumentam o risco de câncer de mama em mulheres, especialmente se não recebem o suficiente folato ou ácido fólico (uma vitamina B necessária para a saúde). O álcool diminui a capacidade do organismo de absorver o ácido fólico dos alimentos ou suplementos, e um nível baixo de ácido fólico aumenta o risco de desenvolver câncer de mama em mulheres.

Leia também: "O Álcool Aumenta o Risco de Desenvolver Câncer – Explicamos Como e Quanto".

Por outro lado, o álcool também aumenta os níveis de estrogênio, um hormônio muito importante para o crescimento e desenvolvimento do tecido mamário. Isso também pode aumentar o risco de câncer de mama em mulheres.

Não é que você tenha que deixar de desfrutar de uma bebida de vez em quando, mas lembre-se de fazê-lo com moderação. Consumir um pouco menos de álcool pode ser um verdadeiro salva-vidas para muitas pessoas. No momento de consumir bebidas alcoólicas, seja guiada pelas recomendações da Sociedade Americana de Câncer (American Cancer Society), que sugere limitar o consumo de álcool a não mais do que duas bebidas por dia para homens e uma bebida para mulheres. A diferença se deve ao fato de que as mulheres tendem a ter menor tamanho corporal do que os homens e um metabolismo mais lento para processar o álcool.

É verdade que o álcool tem sido associado a um menor risco de doenças cardíacas, mas existem outras formas de reduzir ou prevenir os problemas cardiovasculares. Ter uma dieta saudável baixa em gordura saturada e gordura trans, não fumar, manter um peso saudável, fazer exercícios regularmente e manter os seus níveis de glicose (açúcar) e colesterol no sangue e sua pressão arterial sob controle. Tudo isso está ao seu alcance das suas mãos e, portanto, pode ajudar a proteger o seu coração.