Se o seu médico lhe disse que é provável que você precise de um transplante de coração, você deve estar cheio de dúvidas e questionamentos. Em Saúde Dicas, damos algumas respostas para que você esteja mais bem informado.

O que é transplante de coração?

O transplante de coração é uma grande cirurgia na qual se substitui um coração que não está funcionando corretamente, por um mais saudável. Não acredite que os transplantes de coração são um tema muito novo, pois o primeiro foi realizado em 1967. E atualmente é uma das cirurgias de transplante de órgãos mais comuns nos Estados Unidos.

Quem precisa de um novo coração?

As pessoas com insuficiência cardíaca (falha cardíaca) e já tentaram todos os tratamentos disponíveis, desde medicamentos até cirurgias, mas não conseguiram resolver o problema, é provável que o médico recomende um transplante. Isto pode ser devido a: doença das artérias coronárias (doença arterial coronariana), cardiomiopatia ou miocardiopatia (doença do músculo cardíaco), doença valvular cardíaca, ou defeitos congênitos (de nascimento).

Perguntas e Respostas Sobre o Transplante Cardíaco

Quem não deve realizar um transplante de coração?

Esta cirurgia não é para todos. Não é recomendado realizá-la se você tem mais de 65 anos, tem má circulação ou alguma doença dos vasos sanguíneos, teve ou tem câncer, sofre de diabetes e é dependente de insulina, sofre de doença hepática, renal ou pulmonar ou qualquer doença mortal.

De onde se obtém o novo coração?

O novo coração que será transplantado geralmente é doado por uma pessoa que sofre de morte cerebral, mas cujo corpo ainda está na UTI mantendo o coração saudável para doá-lo. A doação é totalmente voluntária, e assim como existem aqueles que concordam em doar seus órgãos caso sofram algum acidente ou morte súbita, alguns ainda temem pensar na doação, pois significa aceitar que algum dia vai morrer.

Quais são os riscos?

É importante conhecer os riscos que implica um transplante de coração, antes de aceitá-lo. O pior que pode acontecer é que seu corpo rejeite o novo coração, porque seu sistema imunológico pode pensar que é algo estranho e tentará atacá-lo como se fosse uma bactéria ou vírus. Outros problemas que podemos ter é que suas artérias se engrossem e endureçam dificultando a circulação do sangue, ou que os medicamentos imunossupressores (anti-rejeição) que você deve tomar pelo resto da sua vida afetem os rins, aumentar o risco câncer e osteoporose, e diminuir a resposta do organismo diante de infecções.

Quais são as expectativas?

Apesar dos riscos, alguns estudos mostram que aproximadamente 90% dos pacientes que realizam um transplante sobrevivem ao primeiro ano, e 75% ainda estão vivos após cinco anos. Mas será necessário estar sob controle constante do seu médico, tomar os medicamentos pelo resto da sua vida e fazer mudanças em seus hábitos, como: fazer exercícios, ter uma dieta saudável e parar de fumar, entre outros.

Verifique com seu médico quaisquer dúvidas que tiver.