A fibromialgia, também chamada de fibrosite, é uma condição que afeta entre 1% e 3% da população, sendo mais frequente entre as mulheres mais velhas.

É caracterizada por uma dor generalizada, não relacionada com as articulações, que afeta especialmente os músculos e os tecidos conjuntivos chamados fascios.

Em muitas pessoas, a fibromialgia é a única condição enquanto que em outras se desenvolve como resultado de outra doença reumática, como artrite reumatoide, osteoartrite ou lúpus. Pode desaparecer sozinha, apresentar-se em períodos de estresse ou se tornar crônica.

Embora se desconheça a causa da fibromialgia, existem estudos que indicam uma possível relação entre fibromialgia e transtornos do sono. Outros fatores que podem contribuir para o desenvolvimento e perpetuação desta doença é o estresse.

Remédios Caseiros Para Fibromialgia

Os sintomas da fibromialgia são:

  • Dor muscular e rigidez nas costas, cabeça, coxas, abdômen e quadris.
  • Sensibilidade muscular na base do crânio, pescoço e ombros.
  • Fadiga.
  • Irregularidade intestinal (síndrome do cólon irritável).
  • Dor de cabeça.
  • Ansiedade.
  • Dificuldade de concentração.

Leia também: "O Exercício Alivia os Sintomas da Fibromialgia".

Remédios Caseiros Para Fibromialgia:

  • Ferva, durante 3 minutos, 1 colher de sopa de erva de São João em uma xícara de água. Retire do fogo, deixe esfriar e coe. Tome 1 xícara por dia.
  • Misture 2 colheres de chá de harpagófito e outras 2 de unha de gato em uma xícara de água que está fervendo. Cubra e deixe esfriar. Em seguida, coe e beba uma xícara por dia.
  • Despeje duas colheres de sopa de camomila ou de valeriana em uma xícara de água que está fervendo. Tampe, deixe esfriar e coe. Tome uma xícara antes de dormir, o que ajudará a conseguir o relaxamento e para conciliar um sono profundo.
  • Aplique, compressas quentes, nas áreas sensíveis a dor.
  • Tome banhos de água quente pouco antes de dormir. Com isso, você conseguirá tanto a melhor conciliação do sono como mitigar, devido ao calor, a dor da fibromialgia.
  • Fazer exercício na água quente. Para isso, o ideal é que a piscina tenha a água na temperatura do corpo, ou seja, entre 32°C e 37,5°C.

Recomendações:

• Procure o médico para confirmar o diagnóstico de fibromialgia e, assim, descartar outras doenças que causam sintomas semelhantes, como a síndrome da fadiga crônica.

• Pratique Qigong, um antigo sistema chinês de meditação cujos exercícios de respiração e movimentos lentos, podem beneficiar, de acordo com estudos, as pessoas com fibromialgia. Pratique técnicas de relaxamento para reduzir a ansiedade.

• Realize habitualmente exercício, como caminhada, natação e aeróbica moderada, já que tonifica os músculos e melhora a condição física, a circulação e desencadeia a liberação de endorfinas (hormônios que produzem bem-estar). Para isso, comece lentamente e estabeleça metas realistas.

• Você pode experimentar fazer uma caminhada de cinco minutos, com passos rápidos, em seguida, aumentar gradualmente o tempo e a intensidade até chegar a caminhar 20 minutos em um ritmo rápido, três vezes por semana.

• Receba massagens, já que ajuda a elevar os níveis de serotonina, o analgésico natural do corpo, no cérebro. Neste sentido, considera-se a massagem sueca, praticado duas vezes por semana, como o ideal, porque, de acordo com a pesquisa, as pessoas após o tratamento, têm menos dor, rigidez, depressão, insônia e fadiga depois de cinco semanas. Aplique acupuntura para reduzir a dor em pontos sensíveis.

• Consuma suplementos de coenzima Q10 porque, aparentemente, em uma alta proporção de pessoas com fibromialgia há uma falta desta enzima, que a célula utiliza para fazer energia. Por isso, seu consumo diário é recomendado.

• Realize um monólogo interno positivo. É importante que a pessoa que sofre de fibromialgia saiba e constantemente repita que é uma doença benigna e que não deformará nem incapacitará. O pensamento positivo (acreditar que se sentirá melhor) aumenta a probabilidade de que assim seja, de acordo com os estudos.

Atenção, as sugestões encontradas nesse artigo não possuem base científica comprovada, sendo assim não devem ser substituídas, em hipótese alguma, por um tratamento médico convencional e/ou ao seguir essas sugestões, os sintomas ou condições a que esse artigo se propõem ajudar podem se agravar.