Novos tratamentos farmacológicos aliviam os desagradáveis sintomas desta doença ainda pouco conhecida.

Ninguém sabe ao certo qual é a causa da doença de Crohn. Sabe-se que por trás desta desagradável inflamação intestinal crônica (que pode afetar qualquer parte do trato digestivo, desde a boca até ao ânus) existe uma predisposição genética, uma resposta anormal do sistema imunológico e algum fator infeccioso. Veja mais em "Feridas na Boca: Um Sinal da Síndrome de Crohn (Doença de Crohn)".

Depressão, estresse ou esgotamento físico podem desencadear crises ocasionais. Ao mesmo tempo, a doença pode passam por períodos de remissão.

Saiba Mais Sobre a Inflação Intestinal Crônica - Doença de Crohn

Os sintomas da doença de Crohn (DC) incluem desde diarreias "urgentes" a dores abdominais, dores nas articulações, fezes com sangue ou enegrecidas, fístulas, cansaço, anemia, febre inexplicável, deficiências nutricionais e até mesmo fotossensibilidade (resultado de um sistema imunológico deprimido).

Apesar da tendência de herdar a doença, a doença de Crohn não é transmitida diretamente (é preciso mais do que um gene defeituoso para que se desenvolva).

Na verdade, apenas 10% a 15% daqueles que sofrem (afeta 5 em cada 10.000 pessoas) têm antecedentes familiares. Nestes, a doença costuma aparecer antes dos 20 anos. No resto, antes dos 40.

Como as causas da doença permanecem desconhecidas, não existe maneira preveni-la. Tampouco existe cura definitiva. O objetivo do tratamento é suprimir os sintomas e proteger o intestino de males maiores.

Embora seja verdade que a doença de Crohn tenha diferentes graus de severidade. Alguns pacientes respondem bem à medicação. Fármacos anti-inflamatórios, antibióticos e até ciclosporina (medicamento anti-rejeição que se usa em transplantados) são tratamentos utilizados na doença de Crohn.

Em pessoas que não respondem à medicação, se recorre à cirurgia, costuma ser necessário eliminar ou abrir um segmento do intestino.

Quase a metade dos pacientes pode precisar de cirurgia, geralmente, 10 anos após apresentar os sintomas.

Como a doença de Crohn tende a reaparecer e não se pode eliminar ou abrir os segmentos intestinais com cada surto, se um especialista propõe outra operação, convém pedir uma segunda opinião médica.

Leia também: "Saiba Mais Sobre a Inflação Intestinal Crônica – Doença de Crohn".

A Importância da Alimentação

Não existem evidências de que a dieta contribua para a doença de Crohn. No entanto, as diarreias e a má absorção dos alimentos podem criar deficiências nutricionais graves. Portanto, a alimentação é essencial.

Em vez de três grandes refeições por dia, faça seis pequenas, distribuídas ao longo do dia. As bananas, que repõem o potássio perdido, são excelentes.

É preciso evitar os alimentos de difícil digestão, como pipoca, nozes, picante, cafeína, álcool ou lactose, porque podem irritar o intestino.