A cirurgia ocular LASIK o que faz é remodelar o tecido da córnea para melhorar a visão e evitar o uso de óculos ou lentes de contato.

A camada superior da córnea, o epitélio, é amolecida com uma solução de álcool, em seguida, o laser dá uma nova forma ao tecido da córnea, que se encontra sob o epitélio. Este laser é um feixe de luz ultravioleta concentrado e frio.

LASIK serve para tratar os casos de miopia (não se vê de longe), hipermetropia (não se vê de perto) e astigmatismo (distorções da visão por irregularidades na córnea).

Em que consiste a cirurgia LASIK:

Primeira se aplica a anestesia e se mantém os olhos abertos. Depois se usa a solução de álcool na córnea e é então que o especialista empurra o epitélio amolecido para trás, a fim de expor o tecido interno da mesma.

Técnica Lasik de Cirurgia Ocular a Laser

Neste ponto, se aplica o laser guiado por computador para remodelar a córnea. Esta etapa dura alguns segundos a minutos. A córnea é coberta novamente com o epitélio e os olhos devem ser protegidos por alguns dias até que cicatrize.

Após a cirurgia LASIK:

As melhorias começam a ser notadas cerca de cinco dias após a intervenção, e a visão definitiva se obtém após seis meses.

Nem todo mundo é um candidato para este procedimento. No caso da miopia, apenas aqueles com menos de oito dioptrias; em hipermetropia deve ser inferior a quatro dioptrias e em astigmatismo não mais do que seis dioptrias.

Além destes detalhes, é importante que o paciente não tenha astigmatismo e miopia de mais de cinco dioptrias porque pode sofrer de uma opacidade da córnea. Por outro lado, a córnea tem que ter uma espessura de mais de 450 micrômetros em seu centro.

Quando não se cumprem estes requisitos, a alternativa à cirurgia LASIK é o implante de uma lente intra-ocular.

Desvantagens da cirurgia refrativa LASIK:

  • Dor leve a moderada após a cirurgia.
  • Período de recuperação visual mais prolongado.
  • É necessário utilizar colírio por três meses ou mais.
  • Existe o risco de formação de cicatrizes ou opacidades na córnea.
  • Existe o risco de síndrome do olho seco, temporária ou permanente.
  • Existem riscos com problemas de visão noturna (halos ou brilho).
  • Risco de correção insuficiente ou excessiva.
  • Risco de perda da acuidade visual corrigida.